Um bebé que sobreviveu a um aborto aos 8 meses encontra a sua mãe biológica 40 anos depois

Uma trágica história familiar ...

Partilhar no Facebook
547 547 Partilhas

A história de Melissa Ohden é muito triste, mas o seu final é feliz e esperançoso. 

Há quarenta anos atrás, Melissa sobreviveu a um aborto. Foi-lhe administrada uma solução tóxica, mas por milagre, o bebé foi resgatado por uma enfermeira que ouviu os seus gritos e a levou para os cuidados intensivos.  

Aos 3 meses, Melissa foi adotada por Linda e Ron Ohden. O casal já tinha adotado uma menina de 4 anos chamada Tammy.  

As duas meninas ficaram a saber cedo que eram adotadas. 

Um dia, Tammy teve uma discussão com a sua irmã e disse: “Ao menos os meus pais queriam-me”. Esta frase abalou a vida de Melissa.

Muito triste com esta notícia, ela torna-se bulímica e vira-se para o álcool para afogar as mágoas. Durante anos, ela desconhecia a verdade acerca do seu nascimento. 

Ela conseguiu compor-se e começou a estudar Ciência Política na Universidade de Dakota do Sul.  

Aos 19 anos, ela começou a investigar o seu passado. Melissa começou por procurar arquivos, jornais e anuários para localizar a sua família biológica: “Eu sabia o nome da minha avó materna”, diz ela.

Ela consegue encontrar os seus avós e envia-lhes uma carta. O seu avô respondeu a dizer que já não ouvia falar da mãe dela há muitos anos. 

Melissa sabia que ela tinha algo a ver com isso. Ela também enviou uma carta ao seu pai biológico que nunca respondeu.

“Ele talvez tivesse vergonha, nunca vou saber”, diz ela. A jovem descobre na Internet que ele morreu 6 meses depois de ela ter entrado em contato com ele. 

Ela deixou a pesquisa para começar a sua própria família. Melissa casa-se e dá à luz duas filhas. 

Com 36 anos, um primo da sua mãe biológica entra em contato com ela e dá-lhe mais detalhes sobre a sua história.

Ele explica-lhe que os seus pais tinham começado a estudar na universidade e que a sua mãe engravidou. 

Mas a sua avó não aprovou a gravidez, então forçou-a a abortar. Sendo enfermeira, a sua própria avó deu-lhe uma solução tóxica.

Felizmente, outra enfermeira salvou-a levando-a para os cuidados intensivos.  

Após 17 anos de pesquisa, Melissa entra, finalmente, em contato com a sua mãe biológica.

Elas encontram-se e a sua mãe diz que viu-se privada do seu próprio filho: “Ela sente-se muito culpada e arrependida, mas não a culpo por nada”, diz Melissa.

“Eu só tenho compaixão pela minha família, até pela minha avó”, explica. 

Melissa e a sua mãe biológica continuam a ver-se hoje em dia. Não há dúvida de que elas têm muito tempo para recuperar o tempo perdido. 

Partilhar no Facebook
547 547 Partilhas

Fonte: Ayoye · Crédito foto: Ayoye