Uma criança sobreviveu à mordidela da aranha mais mortal do mundo

Uma mordida perigosa

Partilhar no Facebook
43 43 Partilhas

Uma criança sobreviveu à mordidela da aranha mais mortal do mundo

Matthew Mitchell é um rapaz de 10 anos que passou recentemente por uma experiência traumatizante, enquanto ajudava os seus pais a limpar o jardim da sua casa em Berkeley Vale, Austrália. Era um belo dia de verão e Matthew estava a andar descalço, como muitas pessoas gostam de fazer. Mas, na altura de calçar os sapatos, uma dor extremamente aguda o fez gritar. Quando os pais acorreram aos seus gritos, repararam na marca de uma dentada na sua mão e numa aranha ao seu lado no chão – tratava-se de uma aranha-teia-de-funil (Atracinae).

“Ela montou-se na minha mão e senti as suas patas na minha mão. Não a consegui tirar”, conta Matthew.

A Austrália é conhecida por ser o habitat de animais assustadores: cobras, crocodilos, tubarões, e outros, numa lista infindável. A aranha-teia-de-funil está no grupo das aranhas mais perigosas do mundo, sendo que o seu veneno pode matar um ser humano em 15 minutos. Os pais de Matthew sabiam que o tempo estava a contar e levaram o filho às urgências do hospital o mais rápido que puderam. 

Mas, assim que chegaram ao hospital mais próximo, este estava fechado. Desesperados, correram até uma farmácia, onde os funcionários prestaram os primeiros socorros. Rasgaram um bocado de uma t-shirt para fazer um torniquete ao nível da sua mão, e impedir que o veneno se espalhasse pelo corpo. Depois, chamaram uma ambulância. Esses momentos de espera foram os piores das suas vidas.

Às 18h chegou a ambulância, quando o pequeno Matthew já demonstrava os primeiros sinais de envenenamento severo. Assim que chegou ao hospital Gosford, já se encontrava num estado crítico – estava com convulsões, transpiração intensa e espumava já da boca. Os médicos deram conta que ele estava a ficar já sem tempo e sem opções, pelo que tomaram uma decisão radical: aplicar a dose mais forte de antiveneno alguma vez aplicada na Austrália. Ao todo, injetaram 12 ampolas (o recorde eram 4). 

O antidoto fez efeito rapidamente e algum tempo depois Matthew já se encontrava no caminho para a recuperação. Um alívio enorme para os pais. Felizmente, o facto de os pais terem conseguido identificar a aranha que o mordeu, permitiu que a equipa médica pudesse administrar imediatamente o antiveneno correto. O torniquete feito pelo pessoal da farmácia também ajudou a retardar o envenenamento. Sem esta combinação de acontecimentos, o pequeno Matthew podia não ter resistido à terrível mordidela.

Enquanto Matthew e os seus pais estavam no hospital, as suas irmãs gémeas e um amigo da família conseguiram deitar mão à aranha culpada. Esta foi transportada para o AustralianReptile Park (Parque Australiano de Répteis), onde será utilizada para criar mais antiveneno. As reservas são atualmente escassas e qualquer aranha encontrada desta espécie pode ser extremamente útil para salvar a vida de mais pessoas que estejam na mesma situação que Matthew. 

Matthew receberá o prémio “Homem Aranha” pela sua coragem e a sua façanha em sobreviver à mordidela de uma aranha tão mortífera. Feito ainda mais incrível quando pensamos que o veneno desta aranha poderia matar um adulto em 15 minutos.

Esta história traumatizou verdadeiramente a família e esta espera que, ao partilharem-na, evitem que outras pessoas se encontrem na mesma situação. Se vive num país conhecido por albergar algumas espécies potencialmente mortais, inspecione e abane bem a sua roupa/sapatos antes de a usar. O mesmo se aplica aos seus lençóis. E se for mordido, ou se alguém que conhece o seja, não perca tempo – procure ajuda médica imediatamente.

Partilhar no Facebook
43 43 Partilhas

Fonte: Barouf · Crédito foto: Barouf