Um zoológico de seres humanos, o que acham disso? Estranho? Mas já aconteceu!

Simplesmente triste.

Partilhar no Facebook
177 177 Partilhas

A história relata algumas exposições que foram feitas como registro artístico, com a intenção de fazer as pessoas pensarem sobre os fatos. A primeira delas foi em 1903, o Japão apresentou duas mulheres coreanas, junto com pessoas taiwanesas, ainu e das Ilhas Ryukyu, para que os visitantes as observassem como se tivessem vendo peças de um museu. Já em 1907, em Tóquio, um homem e uma mulher coreanos serviam de entretenimento para os visitantes. 

 

Mas no início do século 20 países ocidentais estavam na corrida da colonizaçãodos países menores e mais fracos, coisas horrendas aconteceram, mas a pior delas eram os sequestros de nativos, como Congo, Chile, Filipinas. Eles eram levados e forçados a participarem de shows chamados de “Zoológico Humano”. 

Onde essa barbaridade acontecia? 

Geralmente nas cidades mais ricas da Europa, como Hamburgo, Milão, Paris e Londres. Como as etnias eram muito diferentes, as pessoas com sua ignorância, achavam muito engraçado ver a apresentação dessas outras pessoas que possuíam traços diferentes. Essa foi a ideia de Karl Hegenbeckao criar esse “show”. Ele tinha acesso aos povos de Samoa e os saami do sul do pacífico e Ásia, mais a frente ele trouxe os inuit e núbios do sul do Sudão e Egito. A apresentação beirava ao ridículo, ele fazia essas pessoas ficarem nuas simulando uma caçada.

Como acontecia também em Nova York, em 1906, no Zoológico do Bronx, Ota Benga, ficou famoso como o pigmeu do Congo. Ele foi colocado a contragosto em um show com chimpanzés e orangotangos, e teve até que dançar na frente dos americanos. O nome dessa exibição era “O Elo Perdido”. Eles encenavam que os ocidentais eram um povo evoluído enquanto os nativos eram parentes próximos aos primatas. Ota Benga se matou com uma arma, por estar deprimido. 

A ignorância e o preconceito eram tão grandes que o idealizador desse show em Nova York, Madison Grant, escreveu um livro chamado 'The PassingoftheGreatRace; Or, The Racial BasisofEuropeanHistory’ ('A Passagem da Grande Raça; Ou, A Base Racial da História Européia', em tradução livre) que, mais tarde, o antissemitismo de Adolf Hitler usou como base.

Em Paris, França, por volta de 1931 o show com humanos acabou atraindo 3.4 milhões de pessoas em 6 meses. Dessa vez a degradação pública passou dos limites aceitáveis, uma família inteira era colocada para ser ridicularizada, inclusive uma mãe com seu filho de colo, que eram cutucados e xingados.   

Essa febre de zoológico humano só acabou em 1958, na Bélgica. 

A foto abaixo foi tirada nesse evento. 

Essa foto choca o mundo, Jackie, era uma garotinha do Congo e dá para ver que ela recebia comida das pessoas como se fosse um macaco.

O sofrimento deve ter sido demais para essas pessoas, e devemos sempre lembrar o que de ruim fizemos no passado para que não voltemos a cometer os mesmos erros. 

Em 2011, uma exposição intitulada ‘Human Zoo: The InventionoftheSavage’ ('Zoológico Humano: a Invenção do Selvagem', em tradução livre) aconteceu em Paris e muitas pessoas tiveram a possibilidade de olhar um pouco para o passado.

Partilhar no Facebook
177 177 Partilhas

Fonte: Não acredito · Crédito foto: Não acredito