Um violador utilisa o telefone da sua vítima de 17 anos para postar vídeos do gesto cometido.

As pessoas ficaram furiosas com a sentença.

Partilhar no Facebook
115 115 Partilhas

Um homem de Calgary entrou furtivamente no quarto de uma mulher de 17 anos para violá-la várias vezes e chegou mesmo a usar o telemóvel da vítima para postar os vídeos da horrível violação que cometeu.

A vítima esteve presente no tribunal na terça-feira quando o juiz sentenciou Drayton Dwayne Preston a 26 meses de prisão.

Há alguns meses, o suspeito decidiu declarar-se culpado das acusações contra ele.

Foi no dia 29 de julho de 2016 que o crime horrível ocorreu.

Preston estava a participar numa festa de amigos onde estava a sua namorada, a vítima e o namorado desta.

Durante a noite, Preston decidiu entrar pela janela do quarto da vítima e depois agredi-la sexualmente.

A vítima teria acordado durante a agressão, mas o álcool que teria consumido teria feito com que ela voltasse a adormecer.

Uma hora depois, a vítima acordou novamente e o abusador violou-a pela segunda vez.

Assustada, a vítima não disse nada enquanto esperava que Preston terminasse o seu ataque, mas ela certamente teria agido de forma diferente se soubesse que o homem pretendia violá-la não uma vez mais, mas mais duas vezes.

A vítima então saiu do seu quarto em lágrimas, contando a uma amiga o que havia acontecido ao mesmo tempo que Preston ia embora.

Poucas horas depois, a vítima descobriu que, além dos horríveis ataques que sofrera, Preston até publicou fotos do ataque. Ela soube-o quando a namorada de Preston a confrontou pessoalmente sobre isso.

Preston usou o telemóvel da vítima para tirar fotos e filmar o ataque e, em seguida, publicá-lo na sua conta do Facebook antes de eliminar os ficheiros do telefone.

Num vídeo, podemos ver Preston atacar a vítima enquanto o namorado desta dorme profundamente ao seu lado.

Além da sentença de prisão de 26 meses, Preston será registado no registo de agressores sexuais durante os próximos 20 anos.

Segundo o tribunal esta é uma sentença considerada insuficiente, sabendo que a vítima terá que passar por vários anos de terapia antes de se recuperar do trauma.

Lembre-se que durante o seu julgamento, Preston teve que permanecer em prisão domiciliária, porque ele tinha feito três violações de liberdade condicional, além de não aparecer no tribunal duas vezes.

Partilhar no Facebook
115 115 Partilhas

Fonte: CBC · Crédito foto: Facebook