Um homem acusado de violar uma jovem de 17 anos é queimado vivo por uma multidão enfurecida.

Todos os detalhes no interior.

Partilhar no Facebook
0 0 Partilhas

Um homem acusado de violar uma menina de 17 anos com deficiência mental foi queimado vivo por uma multidão enfurecida.

Policias foram chamados para intervir na vila Muhovhoya em Limpopo, África do Sul, depois dos restos de um homem de 39 anos serem encontrados.

Segundo a Sowetan Live, a menina de 17 anos estava andar de casa em casa para apanhar lenha quando foi agredida sexualmente.

O porta-voz da polícia Moatshe Ngoepe disse que a adolescente estava na presença de outras mulheres quando foi agredida: "As outras mulheres decidiram fugir, deixando a adolescente sozinha. Então o violador foi atrás dela. "

Quando as notícias de que a adolescente havia sido violada pelo homem de 39 anos começaram a circular, demorou pouco para que os moradores decidissem fazer justiça.

Um grupo de "vigilantes" decidiu localizar o homem e depois atacá-lo com objetos, e queimá-lo vivo.

A polícia teve que abrir uma investigação por assassinato e os agentes agora estão ocupados a identificar os indivíduos que participaram dessa operação popular de justiça.

Até ao momento, nenhuma detenção foi realizada e nenhum suspeito foi identificado.

As forças de segurança de Limpopo lembraram à população a importância de nunca fazer justiça por si mesmo.

Finalmente, a polícia descreveu a morte do suposto violador como "um ato de barbaridade", ao mesmo tempo que promete que os responsáveis pagarão o preço mais alto.

Partilhar no Facebook
0 0 Partilhas

Fonte: Ayoye · Crédito foto: Ayoye