“Trabalhar por turnos destrói o cérebro” diz estudo Europeu

Estudo, publicado na revista especializada “Occupational and Evironmental Medicine”

Partilhar no Facebook
5,808 5.8k Partilhas

“Trabalhar por turnos destrói o cérebro”, concluiu um estudo realizado pela universidade de Toulouse (França) e de Swansea (Reino Unido).

O estudo, publicado na revista especializada “Occupational and Evironmental Medicine”, concluiu que os horários irregulares de trabalho destroem capacidades cognitivas levando a um envelhecimento acentuado e precoce do cérebro.

No estudo realizado foram analisados grupos de indivíduos que trabalhavam em regime de turnos (rotatividade entre manhãs, tardes e noites, de forma irregular) durante 10 anos, que se reformaram em 1996, 2001 e 2006. 

Os indivíduos estudados foram comparados com outros trabalhadores com horário regulares e que terminaram a atividade profissional ao mesmo tempo.

O primeiro grupo (com horários irregulares), tinham problemas de memória, incapacidade de processamento rápido de informação e deterioração geral das capacidades cerebrais, comparativamente ao grupo seguinte (com horários de trabalho regulares).

Os autores deste estudo realçaram ainda nas conclusões deste estudo, que os danos atingem não só estes trabalhadores, como a sociedade. Na opinião dos investigadores, nesta situação, a segurança no trabalho é posta em causa!

Outras notícias:

Enfermeira portuguesa escreve desabafo sobre o setor e deixa apelo emocionado nas redes sociais!

O desabafo de uma enfermeira tornou-se rapidamente viral na internet e foi partilhado milhares de vezes.

A enfermeira me questão chama-se Ana Cláudia, e vive na Figueira da Foz. Em defesa dos enfermeiros portugueses escreveu um texto no Facebook.

A enfermeira diz não pertencer a “ordens nem sindicatos ou partidos políticos”, e deixa um apelo para que “salvem a enfermagem”, e deixou ainda algumas críticas aos gastos do Ministro da Saúde, ou aos pagamentos das reuniões na Caixa Geral de Depósitos.

O post conta com mais de 7.000 partilhas:

“Vazio.

É isto. E por favor, peço que percam uns minutos da vossa vida.

Apresento-me: sou Enfermeira há 13anos, de alma e coração. Enfermagem foi a minha primeira e única opção na entrada no ensino superior. Não pertenço a Sindicatos. Nem a Ordens. Nem a partidos políticos ou organizações. Sou simplesmente Enfermeira.

Nunca pensei assistir ao que assisto hoje, em pleno Portugal – país que julgava justo, sem opressão ou desigualdade social.

Vazio. É o sentimento.

Somos humanos. E garanto-vos que Enfermagem é mais do que uma profissão. É mto mais….

Não vou fazer um discurso bonito para discutir o quanto vale em números o meu trabalho. Provavelmente nunca iriam compreender.

O quanto vale ter que lidar com os olhos de quem sabe que vai morrer…de limpar as lágrimas e a dor de tantos… não..

Nem tão pouco vou discutir o facto de não sermos pagos como Licenciados, ou não termos uma carreira aprovada como todos os que trabalham ao nosso lado. Não. Não vou apontar o dedo ao meu país por não me dar o direito de progredir na carreira; do meu país permitir que eu ganhe menos que o meu colega do meu serviço que faz o mesmo que eu….

Não…não… Não é isto que provoca o vazio. É muito mais doloroso que isto…

Vazio: Dói na alma ver o meu Estado, o meu Presidente, o meu País contra nós.

Dói a Hipocrisia do meu Ministério a preferir pagar horas extraordinárias (ficando mais dispendioso ao país) para outros profissionais fazerem o nosso trabalho e afirmando que é para bem dos utentes, querendo passar uma imagem à população”que os Enfermeiros é que são os maus”. Como chegámos a isto? Será que num mundo capitalista tudo vale?

Dói preferirem mandarem grávidas para o privado do que a valorizarem e reconhecerem a existência de Enfermeiros Especialistas qualificados. Dói.

Porquê todas as profissões na Saúde estão a ser respeitadas e nao merecemos o mesmo? Há dinheiro para uns, não para todos? Pior… há dinheiro para aumentar os pagamentos nas reuniões da Caixa Geral Depósitos? E o sr. Ministro da Saúde precisa de 2 motoristas, cujo salário de cada é 2115,82 euros??

Dói ainda mais ver na minha classe, colegas que se vendem… grupos camuflados, em que valores (políticos ou benefícios pessoais) valem mais que a nobre Enfermagem, e os direitos pelos quais exigimos justamente.

Unam-se! Somos todos iguais colegas. Onde está a consciência dos meus pares?qdo ficámos assim?

Dói.

Vazio.

Sinto que Enfermagem sofre de Bullying, mas que ninguém vê. Ninguém. E pior.. empurram-na para o suicídio. Pior consequência do Bullying.

Porquê tanto nos atacam? Gostava que os portugueses soubessem da Verdade. A verdade que não passa nos jornais ou televisões. Que bons e maus profissionais há em todo o lado, mas que os bons estão a morrer. Lentamente…. Neste vazio.

Por favor. Não deixem os bons Enfermeiros Portugueses. Não acreditem nas jogadas e interesses políticos e capitalistas. Não somos ladrões, nem os maus. Eu não o sou. Sou Enfermeira de coração, não por dinheiro. Graças a Deus orgulho-me da educação que os meus pais me deram, e algo essencial que devo a eles: a integridade e honestidade nos meus actos. Só gostávamos de obter respeito. Respeitem a nossa Greve. Respeitem os Enfermeiros. Colegas: respeitem-se.

E este vazio está a ser difícil de preencher. Falta a esperança, o lado bom do ser humano para o preencher.

Está em ti.

Tu que leste até ao fim….

Podes ser enfermeiro ou não. Nao interessa.Tu fazes a diferença. E TU, dentro de ti, sabes como.

Por favor faz diferença. Salva Enfermagem. Salva-nos a todos.

#EnfermagemPortuguesa ?

#JuntosSomosMaisFortes ”

Partilhar no Facebook
5,808 5.8k Partilhas

Fonte: Portal enfermagem · Crédito foto: Portal enfermagem