“O bebé não se calava e eu perdi a cabeça”, disse o agressor

João Marques ainda deu versão de que criança se magoara sozinha, mas confessou agressão brutal.

Partilhar no Facebook
671 671 Partilhas

Correio da Manhã avançou hoje que o agressor e torurador do menino de 17 meses, João Marques, ainda deu uma versão de que criança se tinha magoado sozinha, mas acabou por confessar a agressão.

O homem foi detido por ser suspeito de agredir o menino de 17 meses de idade, filho da sua namorada. O tribunal aplicou-lhe a medida de coação de termo de identidade e residência.

Pai de bebé que foi torturado pelo padrasto fez justiça pelas próprias mãos

Fonte oficial da PSP confirmou ao JN que o padrasto que torturou o menino chegou a formalizar uma queixa, na sequência de agressões de que terá sido alvo por parte de pessoas ligadas à família do menino

Como já todo o Portugal sabe, um homem de 32 anos foi detido por ser suspeito de agredir um menino de 17 meses de idade, filho da atual namorada. 

Bebé estava aos cuidados do homem detido

Segundo o pai do menino, tudo terá aconteceu no último domingo, quando a mãe da criança foi trabalhar e o menino ficou com o namorado dela.

Algumas horas depois, o homem de 32 anos ligou para a namorada para lhe dizer que o bebé caiu contra o berço, o que lhe teria provocado alguns ferimentos na cara.

A mãe foi a correr para casa e levou o filho ao hospital mais próximo.

Foi no hospital que os médicos e enfermeiros concluíram e comunicaram à mãe que os ferimentos não tinham sido provocados por uma queda mas sim por uma ou várias agressões.

O staff do hospital informou o Ministério Público que, em seguida, encaminhou o caso para a PSP. 

A Polícia por sua parte deteve o alegado agressor, a quem foi aplicada a medida de coação de termo de identidade e residência.

Esta terça-feira, à porta do Tribunal de Vila Franca,os familiares da vítima estavam claramente muito consternados com a situação, tendo, inclusivamente, prometido vingança.

Pai do menino torturado persegue o padrasto em corrida pela rua

Sentiram-se momentos de enorme tensão à porta do tribunal de Vila Franca de Xira, ao início da tarde, quando a família do bebé de 17 meses que foi torturado pelo padrasto esperou a saída deste do local. 

O homem deve sair em liberdade depois de ter sido presente diante de um juiz. Segundo o que foi reportado pelo CM não haverá provas suficiente para manter o homem em custódia. 

O pai da criança esperou pacientemente, mas em claro estado de revolta, no exterior do tribunal. Assim que viu que um homem saía do tribunal desatou a correr atrás dele. 

Mais tarde, tanto o pai como a mãe foram recebidos pela polícia. O pai chegou mesmo a dizer: "Isto aqui não acaba. É o meu sangue, é o meu filho", ameaçando resolver o problema pelas próprias mãos.

A mãe, por seu lado, afirmou que o padrasto será castigado pela agressão. "Ele vai ser morto", disse. "Nós vamos fazer justiça pelas próprias mãos. Ele vai ser apanhado em qualquer ponta do país", continua, chamando o ex-companheiro de "monstro""Se sair nós matamo-lo cá fora", concluíu.  

Partilhar no Facebook
671 671 Partilhas

Fonte: CM · Crédito foto: CM