Mulher envia 65.000 mensagens a um homem depois de uma aventura de uma noite.

Ela admitiu que estava perto da loucura ...

Partilhar no Facebook
71 71 Partilhas

Mulher envia 65.000 mensagens a um homem depois de uma aventura de uma noite.

Ela admite que está perto da loucura…

Todos aqueles que já tiveram aventuras de uma noite podem confirmar: nunca sabemos quem vamos encontrar!

De facto, às vezes pensamos que correu lindamente, mas a outra pessoa pode não ter gostado. Ou, por outro lado, podemos ter gostado, mas isso não significa que queremos continuar com a história. Por vezes um dos parceiros quer continuar, mas se o outro não quiser, temos de respeitar a sua escolha.

É exatamente isso que uma mulher do Arizona terá de se lembrar no futuro, pois foi acusada de abuso depois de ter enviado 65.000 mensagens a um homem com quem passou a noite. 

A mulher de 31 anos chamada Jacquelines Ades foi presa em Phoenix na terça-feira e enfrenta agora várias acusações criminais, como resultado do seu comportamento com um homem que se arrependeu de passar a noite com ela.

Foi em 2017 que Ades conheceu a vítima num site de namoros.

Os dois passaram uma tarde juntos e depois, o homem quis continuar com a sua vida. 

Mas, Ades não concordou.

De acordo com o canal ABC15, Ades começou a enviar imensas mensagens à vítima. Em alguns dias, Ades chegava a mandar 500 mensagens.

A vítima teve de contatar a polícia duas vezes, pois Ades estava a persegui-lo e a esperá-lo à sua porta, escondida no seu carro.

A polícia interveio e levou a jovem mulher até casa.

Contudo, no mês passado, enquanto a vítima via as imagens da vigilância da sua casa, ele descobriu que Ades tinha entrado em sua casa para usar a casa de banho. 

Para além disso, quando a polícia procurou o carro de Ades, foi encontrada uma faca.

Numa das mensagens enviadas por Ades, ela diz querer nadar no sangue da vítima.

Noutra mensagem, ela dizia, “Podes fazer o que quiseres, mas nunca penses em deixar-me, pois eu matar-te-ia, e eu não quero ser uma assassina.”

Ades também apreciava o trabalho de Adolf Hitler, e via-o como um génio. 

Depois de ser presa, Ades disse à polícia que não tinha intenções de o magoar, e que tinha enviado todas aquelas mensagens pois temia que ele a deixasse.

Finalmente, Ades admitiu que esteve perto da “loucura”, e foi libertada sem ter de pagar fiança.

Partilhar no Facebook
71 71 Partilhas

Fonte: ayoyemonde · Crédito foto: ayoyemonde