Menina de 11 anos comete suicídio depois de ver imagens chocantes nas redes sociais

Uma história terrivelmente triste.

Partilhar no Facebook
86 86 Partilhas

Esta é provavelmente uma das histórias mais dramáticas do dia e vem do Canadá, onde uma menina de 11 anos cometeu suicídio por causa de imagens que promovem o suicídio nas redes sociais. Uma verdadeira tragédia.

É o site de notícias e entretenimento britânico, Daily Mail, que relata esta notícia que vai entristecer muitos de vocês, mas que também dará um argumento adicional a todos aqueles que exigem uma regulação mais drástica das redes sociais. Na cidade de Halifax, na província de Nova Escócia, uma menina de 11 anos cometeu suicídio por causa de imagens que promovem o suicídio nas redes sociais. Uma verdadeira tragédia que comoveu o país inteiro. Deve ser dito que este evento poderia ter acontecido a qualquer criança.

O Daily Mail explica que a menina se chamava Ursula Harlow e tinha 11 anos de idade. Ela passa vamuito tempo nas redes sociais e foi exposta a um monte de conteúdo que promovia o suicídio e que a levou a cometer suicídio sozinha. De acordo com a imprensa britânica, a menina saltou de uma ponte durante o dia logo após deixar a escola. A parte mais louca desta história é que ela enviou uma mensagem de texto à sua mãe dizendo que ela a amava e que sentia muito.

De acordo com Nicola Harlow, a mãe de Ursula, ela acredita que é culpa do Instagram, especialmente se sua filha cometeu suicídio, diz o Daily Mail. Ela sente que a sua filha passava muito tempo nessa plataforma e foi lá que ela viu todo o conteúdo que promovia o suicídio. Ela também pede que as redes sociais sejam mais regulamentadas para que esse tipo de tragédia não aconteça novamente.

Esta é a segunda vez que uma criança se suicida depois ter visto conteúdo que promove o suicídio nas redes sociais. Outra jovem de 14 anos havia morrido pelas mesmas razões pouco antes de Ursula Harlow. Uma história terrivelmente triste.

Partilhar no Facebook
86 86 Partilhas

Fonte: Ayoye · Crédito foto: Ayoye