Mãe deixa bebé com o ex-marido, no dia seguinte é o horror total.

“Esta vida de mãe solteira diante de um bebé que sobreviveu é difícil”

Partilhar no Facebook
61 61 Partilhas

Sierra Hunt, uma mãe de 24 anos, passou por momentos difíceis. Aqui está o que ela disse nas redes sociais.

"O meu mundo entrou em colapso no dia 26 de maio de 2017. Na noite anterior, o pai da minha filha, de quem eu estava separada, veio buscá-la e levou -apara casa. Eu estava no trabalho na manhã seguinte quando o meu chefe veio até mim e me disse para ir ao hospital porque a minha bebé estava lá. Entrei no carro e percebi que havia perdido cerca de 20 chamadas da minha mãe. Enquanto conduzia para o hospital, ela ligou de novo e, quando respondi, lembro-me de a ouvir a gritar e a chorar. "

Cheguei nas urgências sozinha e muito confundida. Na noite anterior, perguntei ao seu pai várias como ela estava e, toda vez que ele respondia, ele dizia qie ela estava bem. Quando entrei na sala de emergência, ouvi o pior barulho da minha vida. Foi um gemido e lembro-me de pensar: "Não há chance de que seja minha filha". Médicos e enfermeiros vieram e fizeram-me uma centena de perguntas para as quais eu não tinha resposta. Eu olhei nos olhos da minha filha de 3 meses e tudo o que vi foi um olhar vazio. O bebé feliz e sorridente que eu tinha segurado nos meus braços no dia anterior tinha desaparecido. Os médicos conseguiram estabilizá-la o suficiente para que ela fosse transferida para um hospital infantil. Eu ainda não sabia o que estava a acontecer. Eles disseram-me que eu não poderia ir com ela até ao hospital infantil. "

"Naquele momento, a minha mãe chegou. Ela levou-nos para o outro hospital. No caminho, recebi um telefonema. Eu respondi e uma enfermeira do hospital que tinhamos acabado de sair disse-me: "Preciso de vê-la". Eu estava com raiva e disse: "Por que!?" Eu pensei: "Oh, devo ter esquecido de assinar algo". A realidade não me atingiu até que ela respondeu: "Eu não posso lhe dizer ao telefone."

Ela não tinha que me dizer, eu sabia que a minha filha tinha ido embora. Este foi o momento que me quebrou. Eu comecei a chorar e a gritar: ela está morta!

Chegamos ao hospital e encontramos dois policias. Eles levaram-nos para uma pequena sala, se você já perdeu alguém, você sabe de qual sala eu estou a falar. A enfermeira abaixou-se e disse: "A sua filha parou de viver assim que entrou na ambulância, eu queria que você lhe dissesse adeus, eles estão a fazer ressucitação há 20 minutos e vão em breve parar".

Eu disse que não, eu não quero vê-la assim. Algo me disse para partir. Quando entrei na sala, tudo que me lembro é a brancura, exceto pela minúscula mão azul que balançava para cima e para baixo enquanto faziam as compressões. Eu só queria deitar-me e morrer com ela. "

Dois minutos depois: milagre! A menina estava de volta à vida!

"Eu perguntei ao médico da UTI" O que aconteceu? E ele respondeu "síndrome do bebé sacudido". Então eu olhei para o meu ex-marido e disse: "Tu sacudiste-a?" Ele respondeu "Não!""

Após quatro semanas nos tratamentos intensivos com a filha, Sierra obteve a custódia total de seus dois filhos.

"Os investigadores pediram ao pai dos meus filhos e a mim para fazer testes de polígrafo. Eu finalmente saí da negação depois de saber que o pai deles tinha falhado no teste. Ele nunca admitiu nada, mas os investigadores estão convencidos de que ele a sacudiu. "

Após quatro semanas em tratamento intensivo, Sierra disse: 

"Uma vez fora do hospital, levei os meus dois filhos para morar com a minha avó. Eu estava completamente esvaziada emocionalmente e fisicamente. Eu tinha sido projetada para uma vida completamente diferente e estava apavorada. Eu não tinha experiência em cuidar de uma criança com necessidades especiais. Eu tive que aprender dia após dia e cometi muitos erros ao longo do caminho. Eu estava tão zangada. Eu estava com raiva do meu ex-marido, estava com raiva de Deus por permitir que isso acontecesse à minha filha e senti pena de mim mesma. Foram tantas noites que fiquei acordada com a minha filha a gritar de dor e a sufocae constantemente, e acabava por chorar até adormecer. Eu pensei: "Eu quero que a minha filha volte, esta não é a minha filha, eu só quero vê-la sorrir novamente e ouvi-la arrulhando e segurar nela sem tubos" Eu deixei meu trabalho para cuidar -la. Eu não sabia que uma criança como ela era capaz de receber cuidados de enfermagem privados, eu só soube disso meses depois. Então era só eu e ela. Ela precisava de várias consultas médicas e diferentes terapias. Depois de meses de trabalho, finalmente acostumei-me a um "novo normal". 

"Eu comecei a parar de me preocupar com coisas sobre as quais eu não tinha controle ... Eu aprendi que o perdão é mais para nós do que para aquele que temos que perdoar. Depois que eu decidi que não importava se essa pessoa estava arrependida ou não, eu ia perdoar e seguir em frente, senti tanto peso a deixar os meus ombros.

Já faz mais de um ano desde que minha filha ficou ferida. Embora ela tenha sido diagnosticada como cega, sofrendo de paralisia cerebral, com gastroparesia e os médicos a considerem uma pessoa gravemente deficiente, ela é um milagre para mim.

O pai da minha filha vem vê-la a cada dois ou três meses sob a minha supervisão. Agora estou em paz com isso e não deixo que ele me alcance. Fomos casados quase quatro anos e, durante todo esse tempo, ele lutou contra o vício e sofreu as conseqüências desse vício. Eu casei-me quando descobri que estava grávida da nossa primeira filha em 2014. Logo percebi que não era motivo suficiente para casar com alguém. Não posso dizer que tudo foi mau, mas por favor, se você está num relacionamento que não parece certo, saia antes que algo grave aconteça, porque é inevitável, vai acontecer. "

"Esta vida de mãe solteira de um bebé sobrevivente é difícil, mas ela é uma lutadora e quer viver, e eu sempre lutarei com ela. Uma coisa que quero que as pessoas se lembrem da minha história é que, se você estiver num relacionamento com alguém que abusou mental ou fisicamente de você, nunca o deixe sozinho com um filho. Especialmente se houver a possibilidade de ele estar sob a influência de algo. Tenho ideias sobre o que aconteceu com a minha filha, mas a realidade é que talvez eu nunca tenha certeza. "

Partilhar no Facebook
61 61 Partilhas

Fonte: Ayoye · Crédito foto: Ayoye