Notícias : Jovem de 18 anos agredida sexualmente durante a infância veste-se de bebé para “reivindicar a sua infância”
Que acha? Deixe o seu comentário aqui.  

Jovem de 18 anos agredida sexualmente durante a infância veste-se de bebé para “reivindicar a sua infância”

Um modo particular de vida.

Publicado por Vamos lá Portugal em Notícias
Partilhar no Facebook
135 135 Partilhas

Tori Hart usa fraldas durante o dia inteiro porque ela vive como um bebé, apesar de ter 18 anos de idade. Ela bebe do biberão, chupa uma chupeta, veste pijama de só uma peça, fala como os bebés e vê desenhos animados.

Trata-se de um jogo de regressão, muitas vezes associado ao BDSM. Se há uma distinção entre amantes de fraldas (fetichistas) e bebés de mente adulta, a Tori é claramente ambos.

Tori Hart trabalha num restaurante de fast food. Mas assim que ela pode, ela vive como um bebé. Ela explicou que foi agredida sexualmente quando era criança e nunca teve uma infância. Ela teve uma depressão muito jovem, ataques de ansiedade e até teve problemas alimentares. O seu jogo de regressão permite que ele reivindique esses anos perdidos de uma certa forma.

Tori não tem um namorado ou "papá" para cuidar dela, mas ela tem uma "babysitter" que vem trocar a sua fralda e puni-la quando ela tem mau comportamento ou recompensá-la com passeios como ir ao cinema.

Dependendo do dia, Tori pode ter entre um e dez anos de idade, mas a idade que ela prefere é de três anos. Aqui está como ela explica como vive.

"A ideia é submeter-se a alguém e dar-lhe o poder de ser responsável pelo seu bem-estar. Se estiver com um parceiro, pergunto: "Posso fazer isso?" ou "Posso usá-lo hoje?" Eu falo com a minha "voz de bebé" e se eu estou chateada choro ou faço birra. Eu rastejo e rebolo também ".

"Eu não tenho um pai no momento, então normalmente faço isso sozinha depois do trabalho. Visto o meu pijama e relaxo a ver TV. Eu uso o meu biberão e como nuggets de frango de dinossauros e tiro fotos para o Instagram. Eu também vou para a cama todas as noites com uma chupeta e isso ajuda-me a dormir porque eu tenho insónias. Uma noite, fui à casa de um amigo e não consegui dormir sem ela ”.

"Eu uso fraldas e faço as minhas necessidades, mas apenas o número um. Há pessoas que fazem mais, mas isso não é para mim. Eu não gosto dessa parte, é demais. É muito reconfortante e apaziguador. Você sente-se muito bem e é como se estivesse completamente quente, contente e feliz. Eu esqueço todo o resto do mundo ".

"Quando estou neste espaço, não faço nada sexual. Pode até ser uma coisa sexual, mas acho que é mais uma maneira de me expressar para mim mesma".

"Isto dá-me a impressão de viver a minha infância novamente e fazer tudo o que eu não pude fazer da primeira vez."

Tori acredita que este modo de vida a torna mais forte, mais confiante e mais feliz. Ela até desistiu da sua medicação.

Mas ela está feliz em poder contar com a abertura da sua família.

"Uma vez, a minha mãe encontrou uma fralda, então conversamos sobre isso. Ela disse: "Isso é bom, certifica-te de limpar depois ." Eu estava preocupada com o que as pessoas pensariam. Existem muitos equívocos, como a pedofilia. As pessoas dizem que é estranho e rude e não está bem. Muitas pessoas julgam e assumem o pior. Apesar dos estereótipos e do estigma de que somos pedófilos assustadores, não somos. Se vocês nos conhecessem saberiam que somos pessoas normais. Se você ainda assim não gosta do que estamos a fazer ou se você não aceita, tudo bem." Estou aqui apenas para viver minha vida e fazer o que amo. Eu não mereço ódio ".

Partilhar no Facebook
135 135 Partilhas

Fonte: Daily Mail
Crêdito foto: Capture d'écran

Goste/partilhe