​Jogo inocente da filha torna-se num perigo – agora a sua mãe está a avisar os outros pais

A mãe foi forçada a assistir impotente enquanto a vida da sua filha escapava.

Partilhar no Facebook
769 769 Partilhas

Jogo inocente da filha torna-se num perigo – agora a sua mãe está a avisar os outros pais

Os meus filhos adoram nadar… no mar, num lago, ou numa piscina. Eles nadavam durante horas se eu deixasse.

Claro, por vezes fico nervoso, pois a água pode ser muito perigosa. Tenho de estar constantemente atento e a observá-los.

Mas, infelizmente, nem sempre corre bem.

Isto foi algo que uma mãe chamada Lacey Grace aprendeu da pior forma, quando a sua filha de 4 anos, Elianna, lutou pela sua vida num dia normal na piscina. 

Era um dia normal. Lacey Grave estava a observar a sua filha de 4 anos, Elianna, e uma amiga na piscina no quintal, com um objeto chamado “noodle”. 

As raparigas estavam a divertir-se ao usarem o noodle para soprar água.

A certa altura, Elianna respirou um pouco de água. Ela tossiu e continuou a brincar com a amiga. 

De acordo com a Lacey, o resto do dia foi normal. Ela pensava que as crianças tinham andado a brincar – e que nada de mal tinha acontecido… no inicio.

Mas entretanto, a história piorou.

Lacey descreveu no Facebook o que tinha acontecido nos dias seguintes, quando a sua filha estava a lutar pela vida.

“A Elianna estava a brincar na piscina com um “noodle” no sábado, e tal como muitas crianças fazem, estava a soprar água através desse objeto. Por acidente, a Elianna soprou ao mesmo tempo que alguém no outro lado, o que fez com que a água fosse para a sua garganta. Ela vomitou imediatamente, e não se passou mais nada.

30 Minutos depois do “acidente” ela estava bem – normal, a brincar, a comer, etc. No dia seguinte, ela continuava bem.

Pela segunda-feira ela já tinha uma febre. As crianças ficam com febre, é normal. Não me preocupei muito. Ela dormiu muito durante a terça-feira, mas continuava bem. Ela foi para a escola na quarta-feira, mas recebi uma chamada da escola a informar-me que ela estava doente.

Continuava a pensar na cena na piscina, e lembrei-me de ler algo sobre um pai no Texas, cujo filho morreu depois de ter inalado água na piscina. Não ia deixar isso acontecer à Elianna.” 

“Fomos da escola até às urgências, esperando que o médico fosse dizer, “os seus pulmões estão bem, é um vírus, etc.”. Estávamos lá há 10 minutos, quando o médico disse para a internarem imediatamente. Ela tinha um ritmo cardíaco muito elevado, tinha pouco oxigénio, e a sua pele estava a ficar roxa, algo que indicava uma infeção química.

Fizeram um raio-X ao seu peito, e mostrou a infeção causada pelos químicos da piscina.

Duas horas depois, levaram-na de ambulância até um hospital maior, para a controlarem e para ser vista por especialistas.

Ela começou a ser tratada pelo caminho.

RESUMIDAMENTE, a Elianna tem uma pneumonia e agora precisa de ajuda a respirar. Tentaram remover os tubos para ela respirar sozinha, mas os seus sinais vitais baixam rapidamente. Já recebeu antibióticos pela segunda vez, mas ainda não resultou. Continua com febre. A única boa notícia é que o seu ritmo cardíaco baixou. Pelo menos dois médicos disseram-nos, “Ainda bem que chegaram na altura certa.” 

“Tudo o que ela tem de mal, são coisas que não conseguimos ver ao olhar para ela.

Se a sua criança inalar água, e algo pareça minimamente errado, recomendo-o a ir ao médico. Pergunto-me qual seria o seu estado se a tivesse levado ao hospital na segunda-feira. E pergunto-me o que teria acontecido se tivesse esperado. É tão assustador.

Por agora, esperamos que os antibióticos ajam rapidamente, e que os seus pulmões consigam recuperar. Ela vai ficar no hospital até ficar sem febre durante 24 horas, até ao seu raio-X mostrar sinais positivos, e até ela conseguir dormir uma noite inteira sem os seus níveis de oxigénio baixarem muito.

“Se ela precisar de mais 3 litros de oxigénio, será transferida para o Hopkins All Children’s Hospital. Não sei quanto tempo vai demorar, mas estou muito agradecida por ter lido aquele artigo sobre o rapaz que morreu.

Vou encontrar o tal artigo e vou enviar uma carta ao pai, prometo. Nunca a teria levado às urgências se não fosse o artigo, e só Deus sabe o que teria acontecido.”

Felizmente, Lacey tinha lido a história de Frankie Delgado, um menino de 4ª nos que morreu depois de ter nadado numa piscina.

Infelizmente, ele não sobreviveu, mas a Elianna vai sobreviver. 

Afogamento secundário: o que os pais precisam de saber

Mesmo se o seu filho disser que está bem depois de ingerir muita água, o perigo pode ainda não ter passado. Passado de algum tempo, a água pode acumular-se nos pulmões, que causa os afogamentos secundários.

Aqui estão os sintomas que deve controlar, de acordo com a Parents Magazine:

- A criança ficar irritada, argumentativa, ou os dois

- A criança ficar muito cansada

Felizmente, a Elianna está a recuperar, de acordo com a ABC News.

Vai demorar muito até recuperar totalmente, mas por agora, os presentes e palavras de apoio vão chegando de todos os lados. Esperamos que recuperes bem, Elianna! 

Esta história podia ser muito diferente se a Lacey não tivesse lido aquele artigo.

Agora, a mãe está aliviada e espera que o pesadelo da filha sirva como um aviso para os outros pais, já que a época balnear está a chegar.

Se for bem divulgada, acho que esta história vai impedir pelo menos uma criança de morrer afogada numa piscina, ou através do afogamento secundário.

Partilhar no Facebook
769 769 Partilhas

Fonte: Newsner · Crédito foto: Newsner