Notícias : Festejou a formatura no hospital para não deixar o seu filho com Síndrome de Down sozinho
Que acha? Deixe o seu comentário aqui.  

Festejou a formatura no hospital para não deixar o seu filho com Síndrome de Down sozinho

No final do seu último ano de estudos, ela não queria ir à festa de formatura sem o seu filhote Elijah.

Publicado por Vamos lá Portugal em Notícias
Partilhar no Facebook
435 435 Partilhas

Festejou a formatura no hospital para não deixar o seu filho com Síndrome de Down sozinho

Os bailes de formatura são uma tradição em grande parte do mundo, pela qual todos os alunos sonham, sendo o momento mais esperado. Para Brodee Hampton, uma mãe adolescente de 17 anos de Wollongong, esta celebração foi um sonho.

Brodee, alegadamente a mãe adolescente mais nova da Austrália com um filho com síndrome de Down, formou-se com 36 semanas de gravidez e decidiu fazer a festa no hospital juntamente com o seu filho, que era o seu companheiro especial. 

Brodee descobriu que estava grávida um mês depois de fazer 17 anos. Antes disso, estava em negação.

“Estava muito espantada, chorei todas as noites durante as duas primeiras semanas até fazer o meu primeiro ultra-som. Ao ser tão nova, não conseguia acreditar, mas fiquei feliz ao vê-lo no ecrã.”

No final do seu último ano de estudos, ela não queria ir à festa de formatura sem o seu filhote Elijah. 

Brodee estava tão determinada a criar o seu filho, que nem a separação com o pai de Elijah pouco depois de descobrir que estava grávida afetou a sua determinação. 

Depois de acabar a sua 25ª semana de gravidez, os médicos informaram-na que o bebé iria nascer com síndrome de Down, e aconselharam-na a interromper a gravidez, mas ela recusou. Ela estava determinada a criar o seu filho e a dar-lhe uma casa com muito amor.

Esta mãe disse que no início perguntaram-lhe se queria saber como se fazia a interrupção da gravidez, mas apesar de ter dito que não, mostraram-lhe na mesma.

“Continuei a ouvir enquanto olhava para o chão. Sentia-me tão mal, ele estava a pedir-me para ter um filho morto. Ele queria mesmo matar o meu bebé.”

Brodee começou a tremer incontrolavelmente até começar a chorar, e quase vomitou. Esta adolescente determinada deu Elijah à luz a 31 de Outrubro no ano passado, depois de 38 semanas. 

Depois do seu nascimento, ele foi sujeito a uma cirurgia de “atresia duodenal”, um bloqueio no intestino, e ficou mais 22 dias no hospital.

A 11 de Novembro, Brodee queria encontrar-se com algumas amigas e colegas para a celebração tradicional do final de ano. 

“Não quis ir à cerimónia porque não queria que o meu filho ficasse sozinho no hospital.”

Foi então que a sua mãe, numa demonstração de apoio emocional, organizou a celebração formal no corredor do hospital para que pudessem estar todos juntos. 

“A minha mãe quis surpreender-me ao vestir Elijah com um fato e uma rosa de chocolate.”

Foi uma celebração bela e especial, onde Broode posou para as fotos capturadas na emoção do momento. O pequeno Elijah captou as atenções, ao estar vestido num fato adorável. 

“O seu fato era um pouco pequeno, por isso a minha mãe ajustou-o.”

Esta jovem disse que sentiu uma mistura de emoções que a fez muito feliz. 

Ela disse que antes de dar à luz ela era julgada pela sociedade, pelos médicos, e teve de enfrentar uma maternidade sem o pai do seu filho. Apesar de tudo, ela está feliz por ter tido um filho e pelos seus estudos. 

Ela perdeu muitas amizades, a sua vida mudou completamente, ela já não vai a festas, nem sai de casa no fim-de-semana, contudo, ela está feliz e focada em criar o seu filho.

Brodee quer dizer algo à população, especialmente à do seu país sobre a síndrome de Down. É preciso parar de criticar esta condição e dar-lhe mais valor. 

Ela ficou muito feliz por poder celebrar, a 21 de Março, o dia da síndrome de Down,para além de ter recebido o melhor presente de formatura… A vida do se filho!

“Quero que todos saibam que não há nada de mal com a síndrome de Down, e aqueles que sofrem disso são como todos nós. A sociedade faz-lhes parecer feios e não lhes dá qualidade de vida, mas na verdade, eles adoram viver e tudo o que os rodeia. Vivam ao máximo.” 

É uma mensagem que não tem de chegar apenas ao país de Broode, mas a todo o mundo, não pare de partilhar esta história emocionante, e faça da vida uma bela celebração.

Partilhar no Facebook
435 435 Partilhas

Fonte: Viralistas
Crêdito foto: Viralistas

Goste/partilhe