Estudante morre depois de ser violada por um homem que ela não conhecia.

Todos os detalhes no interior.

Publicado por Vamos lá Portugal em Notícias
Partilhar no Facebook
0 0 Partilhas

Um homem foi preso no domingo devido à trágica morte de um estudante de 19 anos.

A aluna chamada Ruth George estava as caminhar sozinha para o carro dela numa garagem na Universidade de Illinois em Chicago quando um homem começou a segui-la e a chamá-la. A aluna então decidiu ignorar o homem, mas ele teria ficado enraivecido.

Segundo os promotores, o suspeito chamado Donald Thurman supostamente seguiu Ruth até ao carro dela, agarrou-a pelas costas para imobilizá-la estrangulando-a. Ele teria colocado ajovem no banco de trás do carro e a agredido sexualmente.

O ataque violento teria ocorrido no sábado à noite e, poucas horas depois, a família de George estava preocupada e decidiu contatar a polícia da Universidade de Illinois em Chicago (UIC). Os policias rastrearam o telemóvel até à garagem e foi então que as irmãs de George e a polícia da UIC encontraram o seu corpo no banco de trás. Um médico legista disse que ela morreu por asfixia.

Após a sua detenção no domingo, Thurman foi acusado de assassinato em primeiro grau e agressão sexual agravada. A polícia da UIC disse que o homem de 26 anos foi libertado em dezembro passado depois de cumprir de dois anos a seis anos de prisão por assalto à mão armada.

Um juiz ordenou que Thurman permanecesse preso sem fiança na terça-feira.

Quando as irmãs de Ruth e a polícia da UIC encontraram o seu corpo, ele estava frio. As irmãs tentaram ressuscitá-la, mas ela foi declarada morta no local. As autoridades também recuperaram um preservativo e esperma no carro.

Imagens da câmera de vigilância mostraram Thurman a seguir Ruth até à garagem, assim como o momento em que ele fugiu 35 minutos depois.

Foi no domingo que as autoridades avistaram Thurman na área e que a sua detenção ocorreu.

O homem admitiu ter sufocado Ruth George, atirando-a no carro e agredindo-a sexualmente enquanto ela estava inconsciente, mas os promotores dizem que ele "negou ter feito sexo com ela".

A mãe de George disse ao Chicago Tribune que a sua filha "vivia a sua profunda fé em Jesus, amando e cuidando dos outros; ela era o bebá amado da nossa família; choramos de esperança, odeio o agressor, mas nossa esperança é que nenhuma outra jovem passe por isto e nenhuma outra mãe tenha que viver este tipo de tristeza ".

Partilhar no Facebook
0 0 Partilhas

Fonte: Ayoye
Crédito foto: Ayoye