Dois assaltantes em mota espalham o terror em Espinho

A dupla de assaltantes agridem as vítimas fisicamente até lhes roubarem os bens materiais valiosos.

Partilhar no Facebook
157 157 Partilhas

Os assaltantes agridem fisicamente as vítimas até lhes roubarem tudo o que têm de valor.

Os criminosos aproximam-se das vítimas de mota e, em pouco tempo, agridem-nas e roubam-lhes os bens materiais valiosos, anéis, fios em ouro e carteiras.  

Estes crimes praticados com muita violência fésica estão a aterrorizar a população de Espinho.

Os dois assaltantes começaram a aterrorizar as pessoas há pelo menos três semanas e já fizeram seis vítimas, das quais cinco mulheres e um homem.

O último ataque reportado aconteceu na manhã da quinta-feira passada. A dupla de homens, montados em mota, pararam junto a uma mulher de 52 anos.

O homem que ia atrás desmontou e empurrou a vítima com violência para o chão, depois continuou a agredir até lhe conseguir roubar os anéis dos dedos e o fio em ouro que tinha ao pescoço.

Depois do assalto, a dupla fugiu a grande velocidade do local. A mulher foi assistida pela equipa de emergência que foi chamada ao local e foi em seguida transportada para o hospital.

As autoridades estão a investigar os casos.

Outras notícias:

Jovem de 20 anos abusa de menino de 4 anos em Évora

Um homem de 20 anos foi preso em Évora pela Polícia Judiciária por ser suspeito de ter abusado sexualmente de um menino de quatro anos, que seria vizinho de um familiar dele.

A Polícia Judiciária disse em comunicado que “os factos terão ocorrido na passada quinta-feira, sendo a vítima, um menino de 4 anos, vizinho de um familiar do suspeito”.

A PJ refere também  que “o arguido terá aproveitado a circunstância de encontrar a vítima sozinha na via pública, para, em local recôndito, consumar o abuso sexual”.

A detenção do homem foi feita por inspectores da Unidade Local de Investigação Criminal de Évora que “localizou e deteve um homem com 20 anos de idade, residente na localidade de Évora, indiciado pela prática de crime de abuso sexual de crianças”.

O homem está no momento em prisão preventiva após ter sido presente a tribunal para o seu primeiro interrogatório judicial.

Criança de três anos morre depois de ser torturada pela mãe e pelo seu namorado

Na Cidade do Kansas, no estado americano do Missouri, um menino de 3 anos morreu depois de ser torturado pela mãe e pelo seu namorado durante meses. A razão dessa tortura terá sido por não ter pedido desculpas.

O corpo da criança, de nome Evan Brewer, foi encontrado dentro de um caixão fabricado pela casal na própria casa.

Stephen Bodine, 41 anos, foi condenado por oito crimes relacionados com o caso na última quarta-feira, assim como a mãe de Evan, Miranda Miller.

A mãe do menino contou durante o julgamento que o casal castigava o menino e que às vezes o obrigavam a ficar de pé durante seis horas com as mãos para trás e com um cinto no pescoço ligado a um peso que o enforcaria caso se mexesse.

A criança teria alimentada com grandes quantidades de sal, antes de morrer, e já estava doente, avança o jornal The Kansas City Star. 

No dia em que o menino morreu, a mulher tinha gritado e espancado Evan e depois obrigou-o a ficar em pé de virado para uma parede durante várias horas, até este colapsar.

O homem bateu então no menino para tentar acordá-lo e levou-o para a casa de banho. Quando saiu da casa de banho, o menino já estava sem vida.

A mãe por sua vez tentou reanimar o filho durante 45 minutos e não conseguiu, mas mesmo assim não chamou os Serviços de Emergência. 

O casal decidiu então construir um túmulo e esconder o corpo na lavandaria da habitação.

A mulher diz que permitiu que o namorado fosse agressivo e não o denunciou às autoridades porque estava apaixonada e sonhava ter uma família com ele. O pai de Evan, Carlo Brewer, desconfiou que o filho era vítima de agressões e já tinha entrado com um pedido para obter a guarda da criança. 

Ele também fez uma denúncia ao Serviço de Proteção às Crianças do Missouri. O menino morreu antes que algo fosse feito.

Jovens de 11 e 12 anos presas por estarem a planear a morte de colegas de escola

Duas jovens meninas da Escola secundária de Bartow são acusadas de conspirar para matar colegas de classe.

A polícia de Bartow disse que elas tinham tesouras, facas e até mesmo um cortador de pizza que elas levaram para matar e desmembrar os colegas na casa-de-banho da escola na terça-feira.

"Elas queriam matar pelo menos 15 pessoas e estavam à espera na casa-de-banho pela oportunidade de encontrar crianças menores que poderiam dominar para serem suas vítimas", disse Joe Hall, chefe da polícia de Bartow.

As meninas, de 11 e 12 anos, planejavam, entre outros atos, beber o sangue das suas vítimas de uma taça, segundo os investigadores.

Elas disseram à polícia que elas elaboraram o plano horrível durante o fim de semana e iam fazer isso em nome da adoração ao diabo.

“Enquanto estive lá ontem à noite [e] assisti a essas entrevistas, não acreditei que isso fosse uma brincadeira”, disse Hall.

Felizmente, as meninas foram encontradas pelo diretor assistente antes que pudessem realizar o suposto ataque.

A equipe da escola começou a procurar as meninas depois de uma delas ser dada como desaparecida da aula.

A polícia diz que as meninas estavam localizadas dentro da casa-de-banho que tinham planejado.

Depois das meninas terem sido levadas em custódia, os investigadores vasculharam as suas casas e encontraram um mapa desenhado à mão da Escola Secundária de Bartow com as palavras "Vai matar na casa-de-banho", escritas nele.

Investigadores dizem que também encontraram mensagens nos telemóveis das meninas sobre os ataques planejados.

Uma das mensagens dizia: "Vamos deixar partes do corpo na entrada e depois vamos matar-nos", diz a polícia.

“É muito perturbador para mim, não apenas como educador, mas também como superintendente e como pai, mas quero que os pais saibam que faremos de tudo para manter os seus filhos seguros”, disse a superintendente Jacqueline Byrd.

Segurança extra já estava na escola na terça-feira por causa de ameaças feitas um dia antes.

Ambas as meninas enfrentam acusações, incluindo conspiração para cometer assassinato em primeiro grau.

Veja a conferência de imprensa completa abaixo:


Partilhar no Facebook
157 157 Partilhas

Fonte: bombeiros24.pt · Crédito foto: bombeiros24.pt