Carta aberta a Porteiros, Discotecas e Afins... e à Mamona!

Infelizmente é pura realidade na noite de Lisboa.

Partilhar no Facebook
166 166 Partilhas

"Recentemente Patrícia Mamona declarou nas redes sociais que não a deixaram entrar no LUX em Lisboa por ser “Black” e estar acompanhada de “Blacks”.

Ora bem, venho aqui dar uma palavra de apoio ao Porteiro do Lux porque, a ele, ninguém o defende!

Vejamos, Zé Tó Caneleiras como é conhecido pelos amigos, sempre foi bom rapaz. De pequeno sempre ajudou o pai, carpinteiro, a fazer os bastões de basebol que vendia para muitos clubes profissionais de Portugal. Caneleiras também estava sempre disposto a ajudar a mãe a ensacar pacotinhos de farinha muito pequeninos que vendiam na rua a uns Padeiros muito magros e algo nervosinhos.

Zé Tó Caneleiras cresceu muito, sempre foi um jovem de porte e, quando terminou a quarta classe com 22 anos, já tinha mais de 115 quilos e 195 de altura... um “rapagão” diga-se. A par do sucesso nos estudos, Caneleirasdedicou muito tempo ao desporto, adorava culturismo e era disciplinadíssimo no seu regime alimentar: proteína e “asteróides” como ainda hoje diz! E foi assim que Caneleiras se fez Homem e foi recrutado para trabalhar na noite como Porteiro.

Começou por baixo em bares de alterne e discotecas de arrabaldes e foi fazendo a sua carreira a “punho”, uns dentes aqui, um pescoço ali, um espancamento acolá, de sucesso em sucesso chegou ao LUX!

Foi no LUX que Zé Tó Caneleiras percebeu o quanto tinha subido na vida... conheceu gente das revistas rosas e da TV, políticos, ricos sem dinheiro e pobres com roupa cara, digamos assim.... “a mais fina flor do entulho“ da noite Lisboeta.

Zé Caneleiras era “um Homem com uma Missão” atribuída pelo seus Deuses, os Patrões do LUX: cuidado com ciganos, pretos e ainda com essa gente do Norte de Portugal, temos que manter o ambiente - gente que não contribui para Swag da casa não entra! Para Caneleiras era óbvio que os seus patrões tinham razão porque eram os patrões e, ser patrão, é coisa só de gente fina aliás, eram também grandes clientes da “farinha em pacotinhos pequenos” da mamã dele por isso, só podiam ser gente conhecedora e de alto nível social.

Todas as noites Caneleiras sentia-se um rei: criava filas intermináveis propositadamente, abria corredores de entrada directa para os clientes habituais, recebia cumprimentos entusiastas de pessoas que, por alguma razão que ele não percebia porquê, raramente acertavam no seu nome quando o cumprimentavam ao entrarem!

Até que uma noite, surge uma tal de Patrícia à Porta. Uma moça negra de seu nome, Patrícia Mbengani Bravo Mamona, Licenciada em Medicina pela Universidade de Clemson na Carolina do Sul - EUA, três vezes campeã nacional de triplo salto, campeã e vice campeã europeia, atleta olímpica de topo e, para piorar, Comendadora da Ordem de Mérito!... Em resumo, gente sem nível nenhum, como é por demais evidente!!

Não!! não!! Não podia ser, Zé Tó Caneleiras sabia as suas ordens, gentinha desta não podia entrar, os patrões tinham-lhe dito e ele, era mesmo um homem empenhado numa missão... e assim foi, enquanto deixou entrar opessoal bom de Lisboa, desde actores de séries B, jogadores da bola em fim de carreira, artistas porno, políticos vígaros e suas amantes, todos consagrados intelectuais..., foi deixando Patrícia e seus amigos à porta por razões óbvias: para ele Patrícia representava o que de pior Portugal tem, uma gaja preta e ainda por cima bonita para caramba (para enganar claro) que vinha com os seus amigos estragar o ambiente da casa.... feito de outro tipo de gente mais “adequada”.

Na verdade Caneleiras ainda teve um momento de hesitação porque a moça era mesmo linda mas, através do intercomunicador as ordens dos Patrões foram claras: “esses aí não entram, deixa-os esperar até se cansarem”.

E assim foi, nessa noite e a bem do ambiente, Patrícia a Médica, a Comendadora, a atleta de topo mundial, não entrou no LUX e ainda, olhem só o desplante da “gaja”, teve a lata de vir para as redes sociais reclamar!! Claro que os Patrões do LUX responderam também nas redes sociais, afinal a preta em causa até tinha algum impacto... porque todo o Português a conhece.... que coisa curiosa e até desagradável, afinal não era um qualquer matarroano do Norte de Portugal que tinha sido barrado à Porta por não usar camisa aos quadradinhos verdinha clara e calças de cor forte com sapatinhos de vela!!! Afinal era uma “gaja” conhecida. Porém, o LUX através da sua área de relações institucionais foi firme na resposta:

“Não gostámos, não queríamos e não achamos justo que o Lux Frágil tenha sido acusado de discriminação”, lê-se no início da curta declaração que a discoteca usa para se defender das insinuações da desportista. “Defendemos princípios opostos e entre esses princípios está certamente a liberdade. Que prevaleça então o direito de cada um de exprimir o que sente e de dizer aquilo que não queremos ouvir. Esse direito é uma boa definição de liberdade”, lê-se ainda.

Voltando ao “Ora Bem”... estou plenamente de acordo com esta declaração de liberdade do LUX! E nesse sentido deixo aqui o meu firme apelo a todos os cidadãos portugueses de Bragança até Faro, passando pelos Açores e Madeira que amam a Liberdade, que sempre que passem perto do LUX, de dia ou de noite, aproveitem para dar uma Mijinha nas paredes ou mesmo aliviarem-se com uma caquita ali na zona, preferencialmente perto da porta! Vamos considerar este acto uma manifestação de liberdade de expressão, que não poderá ser sancionada jamais, devendo até ser encorajada por duas razões: o LUX é, e sempre foi uma Latrina e, na cabeça da gente que manda na Latrina, encontra-se simplesmente “Merda” (desculpem oMeu francês) por isso, mais ou menos Fezes, a coisa não altera muito o nível da Latrina mas, a liberdade que os Patrões do LUX tão firmemente defendem, é reflectida em belos actos de libertação escatológica.

Uma última palavra para Zé Tó Caneleiras. Estiveste bem rapaz!! Continua assim a progredir na carreira e um dia ainda vais barrar um prémio Nobel da paz ou o Dalai Lama!

Um palavra para Patrícia Mamona. Nãote aborreças miúda! Tu pertences a todo Portugal, assim como os teus amigos. Tenta só evitar Latrinas como o LUX futuramente! Não é lugar que mereça a tua presença.. campeã, tás num outro patamar, não te deixes atrair pelo Rés do Chão.

Abraço a Todos! Se não partilharem com pelo menos 10 amigos, vão ser picados no rabo por uma abelha no próximo Verão! Partilhem!

André"

Partilhar no Facebook
166 166 Partilhas

Fonte: Facebook André Silvestre · Crédito foto: Facebook André Silvestre