Cachorrinho de 18.000 anos encontrado no gelo pode ser “o cão mais velho do mundo”

Todos os detalhes no interior ...

Partilhar no Facebook
0 0 Partilhas

Pesquisadores suecos anunciaram ter descoberto um cachorrinho de 18.000 anos que estave congelado este tempo todo.

Foi durante o verão que o cão foi encontrado no permafrost da Sibéria.

Segundo os pesquisadores que estudaram o animal, o corpo do animal estava "surpreendentemente bem preservado", mas não se sabe se o animal era exatamente um cachorro ou um lobo, já que o filhote estava congelado e foi na altura que estávamos apenas a começar a domesticar cães.

No entanto, Love Dalen, 44, e o seu colega Dave Stanton, 34, acreditam que ele pode ser o cão mais velho confirmado. Se isso for verdade, esse corpo pode nos dizer muito sobre as origens da domesticação de cães.

Os colegas de pesquisadores russos chamaram a criatura masculina de "Dogor", uma maneira divertida de apontar que ainda há hesitação em rotular o animal como "cachorro ou lobo".

Dalén, professor de genética evolutiva, disse:

"Estava surpreendentemente bem preservado antes mesmo de limpá-lo. [Quando o encontramos] não sabíamos quantos anos tinha, disseram que o encontraram no permafrost.

Ficamos muito empolgados com isto, mas tínhamos bastante ceticismo até para fazer alguns exames. Claro, quando obtivemos os resultados indicando que ele tinha 18.000 anos, isso mudou tudo. Quando chegamos a esse resultado, foi incrível. Há dezoito mil anos, foi uma época interessante em que muitas coisas aconteceram com lobos e cães do ponto de vista genético.

Não podemos separá-lo de um lobo moderno, o lobo ou cachorro do Pleistoceno [era do gelo]. Uma das razões pelas quais pode ser difícil dizer o que é porque vem do momento da divergência. Pode ser um lobo moderno muito antigo, um cachorro muito antigo ou um lobo pleistoceno tardio ".

O espécime foi encontrado em parte remota do nordeste da Sibéria.

Segundo Stanton, o cão também estava bem preservado porque foi descoberto em um túnel cavado no permafrost. Para os pesquisadores, é empolgante que eles "possam contribuir para algo que levou a um debate de longa data nesse campo".

Partilhar no Facebook
0 0 Partilhas

Fonte: Ayoye · Crédito foto: Ayoye