Assembleia da República aprova lei que proíbe o uso de animais selvagens no circo

Finalmente!

Partilhar no Facebook
811 811 Partilhas

O fim do uso de animais selvagens no circo, como macacos, leões e elefantes, foi aprovado ontem no parlamento, informou o partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN).

O PAN iniciou, em dezembro de 2017, a discussão sobre o assunto na Assembleia da República. 

O texto hoje aprovado em sede de Grupo de Trabalho sobre Participação de Animais em Circos e ratificado na Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto reúne propostas de alteração do PAN, PS e BE, apresentadas em dezembro de 2017, e do PCP e do PEV, projetos de lei que 'baixaram' à especialidade.

O articulado tem ainda de ser votado em plenário, o que deverá acontecer em dezembro, e inclui uma proposta de alteração do PSD que restringe as espécies de animais selvagens abrangidas, sem clarificar se engloba tanto os animais criados em cativeiro como os provenientes do seu habitat natural. 

A lista de espécies de animais selvagens engloba os macacos, elefantes, tigres, leões, ursos, focas, crocodilos, pinguins, hipopótamos, rinocerontes, serpentes e avestruzes

Segundo o texto aprovado, os animais, que têm de estar registados obrigatoriamente num cadastro nacional, só podem ser usados no circo num período transitório de seis anos, findo o qual a sua utilização passa a ser proibida e a ser punida com contraordenações

Cabe ao Governo criar um programa de entrega voluntária dos animais usados nos circos e uma linha de incentivos financeiros destinados à reconversão e qualificação profissional dos trabalhadores das companhias circenses (domadores ou tratadores) que entreguem voluntariamente os animais que utilizam. 

O Governo terá ainda de definir a entidade que ficará responsável por garantir o registo e tratamento de dados no Cadastro Nacional de Animais Utilizados no Circo, a ser criado, por efetuar as apreensões dos animais mantidos ilegalmente nos circos e por recolocar em centros de acolhimento os animais entregues voluntariamente pelos seus proprietários. 

Outras notícias:

Um tigre desmaia num circo, o treinador arrasta-o pela cauda e atira-lhe baldes de água.

Este é o tipo de história que achamos que não acontece, mas aconteceu na Rússia, onde num circo um tigre convulsionou e desmaiou.

É o Daily Mail que reporta esta triste notícia. Honestamente nunca tínhamos visto nada assim e as imagens impressionam. De fato, num circo da Rússia, podemos ver dois tigres fazendo números bastante normais para animais de circo. Podemos vê-los saltar dentro de dois círculos de fogo, saltar alguns obstáculos pequenos e, em seguida, fazer tudo novamente. Uma atividade banal para esses animais mas que infelizmente dá errado. 

De fato, no vídeo, podemos ver um dos tigres que tem mais problemas do que o outro para deixar a cena, ele parece realmente exausto e começa a desmaiar e convulsionar. Os funcionários do circo entenderam instantaneamente o que estava a acontecer. Uma situação completamente oposta à dos espectadores que pensam que essas convulsões são parte do espectáculo. 

O problema é que o treinador tenta levantar a qualquer preço tigre como se nada tivesse acontecido. Depois de várias injunções, decidem, com a ajuda de um colega, atirar vários baldes de água para acordá-lo. Não funciona muito bem e há alguma preocupação em ambos os rostos dos treinadores e da multidão. Podemos ouvir um silêncio assustador que diz muito sobre a situação. O número acabou e toda a gente fica a perguntar-se o que realmente está a acontecer. Namos assistir a um drama? Felizmente não.

Depois de dezenas de segundos que parecem ser horas, o tigre finalmente acorda e o suspense acaba. Todos estão felizes no final do vídeo: o público que pode ver um número extraordinário, os treinadores que salvam o cara e o tigre que se conseguiu levantar. Esperamos que não tenha muitas sequelas, pois é bastante raro ver animais convulsionados dessa maneira.

Vamos deixar que assista ao vídeo completo baixo:

Partilhar no Facebook
811 811 Partilhas

Fonte: DN · Crédito foto: DN