Carta aberta de uma mulher sobre a sua relação

A figura do “marido menino” não faz mais sucesso como antigamente.

Partilhar no Facebook
2,007 2.0k Partilhas

"Não vim ao mundo para ser mãe de quem devia ser companheiro.

Cada casal tem os seus códigos, hábitos, carinhos, infernos e costumes particulares. Não tenho nada com isso, mas o que mais se lê nos grupos de mulheres, é esposa a reclamar que não aguenta mais cuidar de marido como se fosse filho.

Isso, dito de diversas maneiras. Muitas vezes, em posts anónimos. Outras, com um misto de saco cheio e culpa.

Facto é que a figura do “marido menino” não faz mais sucesso como antigamente. Claro. Felizmente.

O mundo mudou e não somos mais obrigadas. Eu mesma, se for para casar com alguém que não consiga escolher as próprias roupas, cozinhar a própria comida, lavar os próprios pratos, cuidar dos próprios filhos e limpar a própria casa sendo um parceiro adulto em todas as questões quotidianas, tou fora.

É bem mais lucro ficar sozinha. Porque a outra coisa boa é que não precisamos mais casar.

Lembro, sem saudade nenhuma, do namorado que, sem tirar os olhos da televisão, me estendeu o copo a dizer “falta açúcar” assim, como se fosse minha obrigação adequar o sumo ao paladar dele.

Se ele mesmo não tomasse uma atitude, estaria mumificado, naquela posição, até hoje. Eu só olhei, nem precisei dizer nada. Recado dado e entendido. É que o rapaz chegou (e foi dispensado) na minha vida depois que descobri que não vim ao mundo para ser mãe de quem devia ser companheiro.

Não faço questão de dividir minha vida com quem se aproveita de mim. Ou com quem é idiota ao ponto de, depois de adulto, não conseguir reverter hábitos da família de origem. Foste educado assim? Cura-ta. Reeduca-te. Reage. Sempre é tempo.

Eu nunca tinha feito uma limpa até decidir ir morar sozinha, aprendi a cozinhar pesquisando em sites de culinária e sei como cuidar do meu filho porque leio, me informo e procuro saber.

Compreender, aceitar, cuidar, acolher, perdoar são verbos lindos, cheios de poesia e necessários à boa convivência entre humanos. Mas não são exclusivamente femininos. Bom é a troca.Homens não são naturalmente infantis até à morte, mas ainda são condicionados a viver assim.

Mulheres não são geneticamente subservientes ou programadas para cuidar dos outros. E nem maduras por natureza. Vamos colocar os pontos nos is: casamento não é adopção e marido não é filho. Não mais. Por mais que ainda, muitas vezes, pareça ser assim."

Partilhar no Facebook
2,007 2.0k Partilhas

Fonte: PSol · Crédito foto: PSol