Novos detalhes da noite de CR7 com Mayorga

Escândalo: Novos pormenores sobre a alegada violação

Partilhar no Facebook
354 354 Partilhas

Novos detalhes da noite de CR7 com Mayorga

Numa altura em que o caso da alegada violação parecia estar esquecido, uma nova publicação vem assombrar a vida do jogador.

Nas últimas semanas o polémico caso sobre o  o escândalo Kathryn Mayorga, a norte-americana que acusa Cristiano Ronaldo de a ter violado no Hotel Palms Place, em Las Vegas, em 2009 tem andado esquecido.

No entanto nesta sexta-feira a revista  'Der Spiegel' voltou a dar destaque a esta noticia com a publicação de documentos que revelam mais pormenores sobre aquela noite.

A revista dá a conhecer uma conversa entre Cristiano Ronaldo e os seus advogados. Estes documentos terão sido revelados no âmbito do  'Football Leaks', têm duas versões - a primeira de setembro, sem edição, e a segunda de dezembro.

Cristiano Ronaldo terá respondido a um longo questionario (41 painas)  do advogado Jay Lavely e os advogados trocaram alguns emails sobre o assunto.

Francisco questiona num dos emails: "Vais traduzir hoje?", o que Osório responde a afirmar que "não estava a planear", "até ao momento o documento é apenas para os nossos olhos". "Okay", diz Francisco. "Só não sabia como traduzir coisas como 'bola de cuspo' e 'toca-me ao bicho'", frases que terão sido ditas por Ronaldo na conversa com os advogados. 

Em setembro de 2009 Cristiano Ronalado disse: "Ela disse que não era apropriado fazer sexo, por terem acabado de se conhecer ('Melhor não. É a primeira vez'). Mas mesmo assim, ela agarrou o meu pau". 

Três meses depois disse: "Ela agarrou o meu pénis"

"Fo***-a por trás. Ela mostrou-se disponível. Ela estava deitada de lado, na cama, e eu entrei por trás. Foi bruto. Não mudamos de posição. 5/7 minutos. Ela disse que não queria, mas mostrou-se disponível. Todo o tempo foi bruto. Virei-a para o lado e foi rápido. Talvez tenha ficado com nódoas negras quando a agarrei. [...] Ela repetiu várias vezes não, não faças isto, não sou como as outrasPedi desculpas depois. Eles não usaram preservativo. Eles não falaram sobre preservativos. Ele não se veio dentro dela. Ele tirou o pénis antes. Vim-me nela e nos lençóis. Não houve lubrificante. Usei saliva. Ele não sabe se ela teve um orgasmo", lê-se num primeiro texto. 

"Ela estava deitada na cama. Entrei por trás. Não mudamos de posição. Durou 5/7 minutos. Foi bruto. Ela não reclamou, não gritou, não pediu ajuda ou nada parecido. Não usamos preservativos. Nem sequer falamos nisto. Não me vim dentro. Vim-me 'nela' (não 'dentro dela') e nos lençóis. Não houve lubrificante artificial. Usei um pouco de saliva. Não sei se ela teve um orgasmo", diz a versão editada do questionário. 

Para a pergunta "a senhora 'C' [como é identificada Kathryn] levantou a voz, gritou?", a primeira reposta de Ronaldo foi: "Ela disse não e pára várias vezes". No documento de dezembro a resposta foi: "não". 

"A senhora C disse alguma coisa depois do sexo?", vê-se no questionário. "No final ela disse: 'Seu imbecil. Você forçou-me. Idiota. Não sou como as outras'. Eu disse 'desculpa'". Mas, novamente, no documento de dezembro a resposta foi editada para: "não".

Partilhar no Facebook
354 354 Partilhas

Fonte: www.flash.pt · Crédito foto: www.flash.pt