Madonna está à procura de chef de cozinha e paga 8 mil euros/mês

Cantora à procura de Chef

Partilhar no Facebook
165 165 Partilhas

Madonna está ativamente  à procura de um Chef privado para trabalhar com ela, não só em Lisboa mas também em outras cidades, como Londres, em Inglaterra e Nova Iorque, nos Estados Unidos. 

A cantora colocou o anúncio na Internet.

Madonna precisa de alguém que se mude para a sua casa, o Palácio do Ramalhete, em Lisboa, que a acompanhe nas suas viagens, seja para Nova Iorque, Londres, Paris, ou para qualquer outro lugar do mundo.

Para esta função, Madonna está disposta a pagar um muito bom salário para a realidade portuguesa, entre 8 mil e 10 mil euros por mês.

No entanto, há naturalmente alguns requisitos, a pessoa a ser contratada terá de conhecera dieta Kosher, inspirada na alimentação judaica, que reúne regras como partir ovos para dentro de copos, de modo a ser verificado se têm sangue ou outras impurezas.


Outras notícias:

Descubra todos os negócios (IMPÉRIO) de Ljubomir Stanisic

Decorria o ano de 1997 quando  Ljubomir Stanisic fugiu para Portugal. Aos 21 anos teve o seu primeiro emprego em Portugal como copeiro, no entanto tinha um segredo, tinha "herdado" a cozinha criativa da sua mãe que no período dificil da guerra cozinhava todos os dias batatas inventado as mais variadas maneiras estimulando sem querer a imaginação do rapaz.

Antes do sucesso o chef teve alguns fracassos. Abriu o primeiro restaurante em 2001 mas o negocio não correu bem. Voltou a lutar e em 2009 abriu o  Restaurante 100 Maneiras tornou-se um sucesso e o trabalho de Ljubomir reconhecido. Um ano depois abriu outro restaurante. 
O chef de cozinha tornou-se ainda produtor de vinhos, de sal, de aguardente, de cerveja e de... facas! Mas não fica por ai... Para além do programa de sucesso da TVI "pesadelo na cozinha" o temível chef é ainda consultor gastronômico em dois restaurantes e explora hortas biológicas

Saiba mais sobre os negócios do chef !

Sal
Foi nas Salinas de Rio Maior,que  Ljubomir criou uma linha de sais-gema com a marca “100 Maneiras”. São cinco as variedades criadas pelo chef e desenvolvidas em parceria com uma empresa familiar que garante que o sal continua a ser recolhido através de processos artesanais. Para cada variedade, Ljubomir criou uma receita que acompanha o frasco, para testar em casa e utilizar na cozinha do dia a dia.

Bebidas

Em 2004, quando abriu o primeiro restaurante, propôs-se também a um novo desafio: pensar a comida a partir dos vinhos. “A minha relação com o vinho funcionou bem desde o primeiro encontro. Primeiro bebi, depois aprendi a prová-los, cheirá-los, a conhecê-los intimamente”. Em 2008 começou a dedicar-se a sério à produção de vinho. “Os meus vinhos são a minha cara chapada: têm estrutura, nunca serão indiferentes a ninguém. Ou se gosta ou não se gosta. São vinhos para acompanhar com comida e aguentam-se com o tipo de cozinha que eu pratico”, revela no site dos seus restaurantes 100 Maneiras. Seguiu-se a produção de cerveja: “É bruta e sem filtros. Foi assim que idealizei a minha cerveja, e agora percebo que foi mesmo feita à minha imagem e semelhança. Lhubobeer é uma Ljubo-birra, uma cerveja com tomates. Demorou mas foi!” Em 2017 lançou a primeira aguardente vínica com a sua assinatura: a Boca do Inferno surge de uma parceria com a Quinta de Covela. As bebidas estão disponíveis nos dois restaurantes, onde podem ser adquiridas.

Restaurantes:
Em Janeiro de 2009, abriu o restaurante 100 Maneiras, no Bairro Alto, em Lisboa, seguindo as suas convicções: democratizar a cozinha de autor, oferecendo um único menu de degustação com preços mais acessíveis. Em setembro de 2010 nasceu o Bistro 100 Maneiras, no Chiado, com uma carta concebida à medida das estações, com sabores que são um reflexo das experiências, viagens e vivências de Ljubomir.

Facas e navalhas
As facas e navalhas são essenciais para o seu trabalho. Ljubomir esteve associado a algumas marcas, até que decidiu desenvolver a sua. “Desde sempre estou ligado às facas. Adoro essas coisas. Tenho jeito com madeiras, com pedras. Adoro trabalho com mãos. Dá-me gozo. Estou a fazer as minhas facas, uma marca Ljubomir, de navalhas.” Para este negócio recebeu ajuda
de uma aldeia cuja população vive quase toda deste ofício.

Horta
Foi no Douro que desenvolveu a sua primeira horta biológica. E implementou o mesmo projeto na Comporta. “Estou a fazer kimchis, comida fermentada debaixo do chão, a um metro e meio de profundidade. Hortas únicas no mundo, com três mil espécies. São hortas biológicas lindas”, revelou em entrevista à “Time Out”. “Faço-o pelo prazer, não pelo dinheiro”, sublinhou, com a frontalidade que todos lhe reconhecemos.


Livros
Já conta com cinco livros no mercado. No primeiro, “Cascais 100 Maneira”, Ljubomir revela as suas receitas, o amor pelos produtos, as referências jugoslavas e as terras por onde passou. Em 2011 publicou “Papa Quilómetros”, uma homenagem a Portugal e aos produtos portugueses.
Em 2014 saiu “Papa Quilómetros Europa”, um livro que retrata a viagem de seis meses que fez numa autocaravana pela Europa, com
a família. Em 2015 apresenta “100 Cocktails 100 Maneiras”, uma obra que evidencia a ligação da cozinha aos coquetéis. “Bistromania – No Bistro como em Casa” é o mais recente, chegou ao mercado em setembro.

Fonte: http://tvmais.sapo.pt

Partilhar no Facebook
165 165 Partilhas

Fonte: JN · Crédito foto: JN