Joana Latino arrasa Castelo Branco e este reage de forma imprevisível

Veja a insólita resposta do socialite

Partilhar no Facebook
733 733 Partilhas

Castelo Branco foi assunto na passadeira vermelha da SIC por causa de um vídeo partilhado pelo socialite onde revelada a sua indignação com a tragédia dos incêndios de 15 Outubro.

Joana Latino começou por afirmar que Castelo Branco é «uma pessoa sem noção, sem qualquer utilidade e ego maníaca».

«Existe não sei bem para quê. Uma pessoa que anda com uma gola de peles, a sair da Channel com um saco provavelmente vazio, a pavonear-se nas ruas de Nova Iorque, a passar a ideia de que é uma estrela. Há escaravelhos com mais importância. Isto já ultrapassou a mulher barbuda do circo. Este tipo é sociopata. Esta pessoa não sente qualquer empatia pelas vítimas. Ele tem zero noção. Ele que venha [para Portugal] para cumprir as penas que tem para cumprir porque já ninguém lhe vai deixar fazer o trabalho comunitário.»

Cláudio Ramos sai então em defesa de Castelo Branco quando a jornalista da SIC afirma que este tem uma vida miserável: «Ele tem a vida que quer, ele é aquilo que gosta e temos que respeitar».

Porém o comentador confessa logo a seguir: «Criou-se um monstro, não sei se no bom ou no mau sentido, mas criámos um monstro.»

O socialite não se ficou por aí e quis explicar em seis vídeos o que estava a sentir. 

 «A única pessoa que me conhece nesse programa é o Cláudio Ramos, mais ninguém! E ele sabe perfeitamente como eu sou. E as meninas e a apresentadora a falarem de mim? Oh querida [Liliana Campos], você está há anos e anos na televisão e não passa disso. Francamente! Poupe-me! Tenha juízo!”

Castelo Branco teceu também duras críticas a Joana Latino: «Essa menina ruiva [Joana Latino], com esse cabelo tão mal pintado, descolorado, feito em casa, que nem sequer a um colorista decente vai. Cai aos bocados do céu e vai-me dizer que nem um patrocinador arranja para pintar esse cabelo de forma decente. Pelo amor da santa, a dizer que eu sou um escaravelho!»

Nos vídeos finais o marido de Betty Grafstein parecia estar visivelmente mais calmo e confessa: «Eu tenho que levar isto tudo pelo lado divertido da vida! Quero voltar a dizer que as queridas que estão aí sentadas com o rabinho bem posto nesse cenário miserável e pindérico, pelo amor da santa!, vão mas é apagar os fogos e ajudar as pessoas que precisam. É ridículo dizerem as coisas que dizem sobre a minha pessoa!»

Partilhar no Facebook
733 733 Partilhas

Fonte: www.novagente.pt · Crédito foto: www.novagente.pt