Empresário de Zé do Pipo quebra silêncio

“A família está muito mal”

Partilhar no Facebook
531 531 Partilhas

Nuno Batista, de 40 anos, conhecido por todos em Portugal por Zé do Pipo, desapareceu no dia 5 de Novembro. O carro do cantor foi encontrado perto de uma ravina em Peniche, que fica a cerca de 30 quilómetros da casa do cantor, em Óbidos.

A revista Nova Gente entrou em contacto com o empresário, Luís Martins, que revelou como agia Nuno no dia em que foi se deu o seu desaparecimento.

O agente diz que Nuno saiu de casa, e avisou a mulher que iria ao banco e à farmácia comprar medicamentos, o que acabou por acontecer mesmo. Nuno terá passado naquele dia pelo banco, e há também registos de pagamentos na farmácia que a mulher dele também já confirmou. A partir daí, perdeu-se por completo o rasto do cantor.

A viatura dele foi encontrada na segunda-feira, a 7 de novembro, por volta das 14h00, junto a uma ravina em Peniche. Uma das hipóteses é de que ele pode estar desaparecido no mar, no entanto não há certezas de nada. «Só se sabe que está desaparecido», revelava na altura Luís Martins.

 O empresário revelou recentemente que não há novidades, «A família está muito mal, mas não desiste. Enquanto há vida, há esperança e a esperança mantém-se», disse o empresário de Nuno Batista, que tem estado em contacto próximo com a família.

Relativamente às buscas, revela que “penso que vão parar, pelo menos, já não estão tão intensivas”. Contudo, as entidades continuam as buscas, “vão ao local onde foi encontrado o carro todos os dias”.

Em relação à personagem que o artista representa, o empresário revela que «O Zé do Pipo acabou», e não coloca a hipótese de arranjar um substituto para encarnar a personagem. «O Zé do Pipo acabou. Acabou e, derivado ao que aconteceu, já não vai continuar».

«Estou ainda a pensar como vou fazer, tenho de arranjar outro projeto com o mesmo conceito, porque este é um projeto vencedor.»

Relativamente aos espetáculos agendados, o mpresário diz que ainda há vários marcados e que os clientes esperam que algo de idêntico seja feito para o que já estava agendado. Os concertos do próximo verão já estavam todos agendados.

Os médicos aconselharam Nuno Batista a abandonar a profissão, numa altura em que já estavam concertos programados para o estrangeiro. «tínhamos concertos marcados no estrangeiro, Luxemburgo, Alemanha, Suíça… Agora tínhamos umas dúzias de concertos cá em Portugal».

O artista estava a ser seguido por um psiquiatra, que o aconselhou a abandonar a profissão por esta se revelar ser incompatível.

«Ele estava doente, com uma depressão muito grande. Andávamos a ver se a coisa aguentava» diz, no entanto a depressão acabou por sobrepor-se ao amor aos palcos e à personagem que representava.

Luís e Nuno não estiveram juntos nos últimos tempos, mas o agente tem mantido contacto com a mulher e os pais do artista.

Outras notícias sobre Zé do Pipo:

Amigo de Zé do Pipo faz relato do dia do desaparecimento

O cantor Zé do Pipo está desaparecido há duas semanas. Um amigo do artista e duas bailarinas estiveram presentes no programa a "tarde é sua" e falaram sobre o cantor.

"[No dia do desaparecimento] ele ia ao banco e à farmácia. Ficámos preocupados porque ele não voltou, nem respondia aos telefonemas", começou por explicar João Carlos Costa. O amigo do cantor chegou, mesmo, a receber um pedido de ajuda: "Fui contactado pelo Luís Martins [agente], que me pediu se eu não me importava de verificar se tinha acontecido alguma coisa.

 Mariza e Elizabete, bailarinas do agrupamento musical Zé do Pipo, também marcaram presença no programa conduzido por Fátima Lopes: "Ele dava sinais de que não estava bem. Tivemos a certeza, quando ele teve de ser encaminhado ao hospital", afirmou Mariza. 

Por sua vez, João Carlos Costa admite nunca se ter apercebido de tal coisa: "No ADN do Nuno [Zé do Pipo], estava esta personagem muito antes de ela existir. [...] Nunca vi o Nuno triste, muito pelo contrário, sempre disposto a dar energia e a partilhar coisas para nos fazer rir."

Partilhar no Facebook
531 531 Partilhas

Fonte: nova gente · Crédito foto: nova gente