Drama: Mulher de Passos Coelho enfrenta o quarto cancro

Doença volta a alastrar ao pulmão

Partilhar no Facebook
929 929 Partilhas

Drama: Mulher de Passos Coelho enfrenta o quarto cancro

Doença volta a alastrar ao pulmão

Há quatro anos que a Laura Ferreira luta contra o cancro. As últimas noticias voltaram a  ser difíceis. O cancro alastrou novamente para o pulmão e os médicos não optaram pela cirurgia. A mulher do ex-primeiro ministro encontra-se a fazer tratamentos à base de ácido dicloroacético.

Desde de 2014 quando lhe foi diagnosticado um tumor ósseo maligno muito agressivo num joelho, que Passos Coelho tem sido o grande apoio de Laura.

Na altura a fisioterapeuta foi operada, colocou uma prótese e submeteu-se a sessões de quimioterapia. Quando se julgava que o pior já tinha passado um exame de rotina revelou mais um pesadelo, existiam células malignas no pulmão.

Foi ainda descoberto um cancro na anca à mulher de 53 anos. Neste momento Laura enfrenta o quarto cancro. São anos de uma luta dolorosa, mas vai lutando, conforme escreveu na biografia de Passos Coelho, publicada em 2015.

"Tenho muito medo de correr, mas depois h+a um lado que se levanta e diz: "Não, tens o teu marido, tens as tuas filhas e a tua família!, Eu tenho de viver, tenho tanta coisa para fazer".

Outros artigos:

Manuela Moura Guedes em lágrimas por causa de problema de saúde

Manuela Moura Guedes voltou aos ecrãs, desta vez podemos vê-la na SIC como “Procuradora” do “Jornal da Noite”. Recentemente a jornalista esteve à conversa com Júlia Pinheiro onde foram abordados vários temas, a família, onde contou com a presença dos três filhos, a saída abrupta da TVI... e os seus problemas de saúde, algo que fez Manuela Moura Guedes chorar.  

Tive uma infeção brutal, ainda tenho cicatrizes na cara. Começaram a nascer quistos e quando pensava que já não surgiam, voltavam outros. Eram bolas duras, ia aos médicos e eles não sabiam o que era. Devia ter tomado muito mais antibióticos do que tomei. Depois deram-me corticóides, que fez muito pior, porque na altura fez com que baixassem os quistos, mas as defesas foram muito abaixo. Aquilo voltou a explodir”, revelou.

Este problema aconteceu na altura em que e mudou da RTP para o canal de Queluz, o que a chegou a deixar bastante insegura, como a própria assumiu. “Tiveram de me abrir a cara. Cheguei a andar com drenos na altura em que me convidaram para ir para a TVI. Andei anos e anos nisto. Tiveram de abrir, raspar e tirar o que lá estava da infeção. Depois fiquei com buracos na cara”, contou, visivelmente emocionada. 

Para além de ter de passar por essa dor, ainda estava muito exposta publicamente sujeita portanto a comentários menos abonatórios. Na altura apresentava o "Jornal Nacional” e fazia de tudo para esconder parte da face. “Quando fui para a TVI, estava com buracos na cara, tive de tapar com o cabelo. Depois apareceram notícias a dizer que tinha feito uma operação plástica e que tinha corrido mal. Tinha de encher os buracos e tive de recorrer a médicos. Foi quando comecei a ficar com a cara muito mais gorda. Só que aquilo deslocava-se e eu ia ficando com a cara cada vez mais gorda. E tudo isto é horrível. A pessoa que está sujeita a um exame diário não só daquilo que faz mas do aspeto que tem. Habituei-me a não ver os comentários. Eram muito, muito cruéis”, referiu com a dor estampada no rosto.

Partilhar no Facebook
929 929 Partilhas

Fonte: www.vidas.pt · Crédito foto: www.vidas.pt