Ágata: Fala pela primeira vez após a condenação do filho

Cantora apoia o filho

Partilhar no Facebook
463 463 Partilhas

Ágata: Fala pela primeira vez após a condenação do filho

Portugal ficou incrédulo ao saber que o filho mais velho da conhecida cantora Ágata estava envolvido num crime de violação. A cantora submeteu-se ao silêncio e um mês depois recorreu às redes sociais para se pronunciar.

«Graças a Deus que não dou credibilidade a revistas cor-de-rosa que se alimentam com tamanhas falsidades para se governarem... Ultimamente, tenho conhecimento de textos e programas de TV (comentadores, etc.) que me deixam incrédula.... Enfim, querem conversa, mas eu não estou virada para fofocas. Paciência», escreveu, em tom de desabafo.

Com estas palavras a cantora deixa claro que não quer falar sobre o assunto. Segundo a imprensa Ágata está a sofrer pelo filho e apoia-o em absoluto. A cantora conta com o apoio dos fãs que lhe enviam mensagens a transmitir força.

Relembramos que  Marco Caneira, de 38 anos, foi condenado a seis anos e meio de prisão efetiva, após ter sido acusado de ter violado uma menor, nos Açores, na noite de 18 de setembro de 2016.

Outros artigos:

Ágata é acusada de fazer chantagem com a mãe da vítima do filho

Depois de ter visto o filho, Marco Caneira, de 38 anos, ser condenado a 6 anos e meio de prisão por violação de uma jovem de 14 anos, Ágata vê agora o seu nome ser envolvido numa polémica relacionada com o caso. 

Segundo a mãe da menor abusada pelo empresário, a cantora terá tentado silenciar a acusação a troco de dinheiro, quando estava em vias de marcar um espetáculo nas Festas do Espírito Santo, nos Açores, onde ocorreu o abuso sexual, em 2016. 

"O cachê dela era 4500 euros. A Ágata disse-me que não levaria dinheiro se a minha menina não prejudicasse o filho dela no julgamento", afirmou a mãe da jovem, que fazia parte da organização da festa, relatando o telefonema que recebeu da cantora logo no início do processo de acusação. 

A mulher disse ainda que compreende esta atitude de Ágata.

"Tenho pena do que ela está a passar, mas ele tem de pagar pelo que fez", afirmou, relatando ainda que a filha foi levada por Marco para uma sala da junta de freguesia, onde este a terá obrigado a fazer sexo oral e anal.

O Correio da Manhã diz ter contacto Ágata, mas que esta se terá recusado a comentar o assunto, desligando o telemóvel.

Filho de Ágata acusado de perseguir menor durante seis anos antes de a violar

 Marco de Sousa Caneira, de 38 anos, filho da cantora Ágata está a ser acusado pelo Ministério publico de ter violado uma menor, mas não só. 

Segundo o jornal Açoriano Oriental, é ainda acusado pelo Ministério Público da autoria de um crime de violação agravado, um crime de tentativa de pornografia de menores agravado e um crime de importunação sexual.

O crime aconteceu em 2016, no interior da Junta de Freguesia da Nossa Senhora dos Remédios, na Povoação, no final de um espetáculo musical.

«Deslocou-se à ilha de São Miguel como agente de um cantor que participou nas festas de Nossa Senhora dos Remédios, na Lomba do Loução, tendo mantido atos sexuais com uma jovem de 14 anos enquanto a banda participava num beberete e distribuía autógrafos», pode ler-se na notícia.

Marco já conhecia a jovem há seis anos  e há dois anos falavam através das redes sociais, chegando a trocar o número de telemóvel. Quando em 2016 o arguido viu a menor aos beijos a um rapaz começou «a assediá-la através do telemóvel para manterem relações sexuais».

Este não foi um caso isolado. Existe ainda outro caso com uma jovem que Marco conheceu noutras festas populares enviando também mensagens pelo facebook escrevendo palavras como «gostosa, fofa e linda». 

Ter-lhe-à ainda solicitando, por diversas vezes, que lhe enviasse fotos do seu próprio corpo despida. A menor nunca o fez, mas Marco, segundo a acusação pública, enviou uma foto sua totalmente despido.

Para além destas  investidas, terá feito o convite para através da webcam, para o ver a masturbar-se, mas a jovem não acedeu ao convite e bloqueou-o na sua conta no Facebook.

A acusação do ministério público afirma que  «o arguido tinha perfeita consciência da idade das menores e não obstante disso, não se absteve das suas condutas a fim de satisfazer os seus instintos libidinosos, bem sabendo que, dessa forma, punha em causa o livre desenvolvimento da personalidade das mesmas na esfera sexual», diz o mesmo jornal.

O filho de Ágata não esteve presente em tribunal alegando uma depressão.

Partilhar no Facebook
463 463 Partilhas

Fonte: www.vip.pt · Crédito foto: www.vip.pt